sexta-feira, 29 de março de 2013

Capitulo 32-"Mas que raio de foto é esta?"


 (Rúben)

Depois do treino era altura de ir procurar o gato para os miúdos..com os requisitos que a Rita me tinha dito era procurar o ideal.Não o quis fazer sozinho e convidei o David para vir comigo,já que ele se dava muito bem com os miúdos podiam me ajudar a decidir qual o gato ideal para  a Carolina e o Simão.

Na loja havia um pouco de tudo,até umas aranhas esquisitas mas como não era aquilo que procurava.Fui com o David até ao balcão,disse à mulher o que procurava e ela disse para lhe acompanhar.Parámos perto de uma caixa,lá dentro estava um gato mesmo muito pequeno.Com um  pelo muito fofo,daqueles que pareciam mesmo uma bola de pelo com olhos..tinha um pelo no tom amarelo e branco,sendo que a ponta das quatro patas eram brancas.Olhou para cima da caixa e miou.

Apesar de achar desnecessário,já que ele parecia não fazer mal a uma mosca, perguntei se o gato daria se bem com crianças.Ela respondeu que sim,e que por ter apenas meses seria muito mais fácil “ensiná-lo”.
Voltei a olhar para  o gato e nem precisei de pensar mais..era ia deixar os miúdos na lua.Foi só preciso o colocar dentro de uma caixa e ir pagar.O David foi para sua casa e eu até à casa da Rita.

Toquei  à campainha e ouvi o reboliço do outro lado,e depois a Rita abriu a porta.Eles falaram logo que queriam ver o gato,disse-lhes para esperem só um pouco que ia pousar a caixa sobre o sofá.
Ao o fazer reparei que estávamos acompanhados, e que a Sónia também cá estava.Cumprimentei-a ,com os miúdos como voz de fundo.

Simão-Anda Rúben,queremos ver.-estavam os dois aos saltinhos perto de mim.

Carolina-Mostra Rúben,vá lá!

Rúben-Pronto aqui está.-abri a  caixa e como ele era tão pequeno que tive de o tirar de lá.Eles quando viram o pequeno gato falaram um “ohhh”.Coloquei o gato sobre o sofá,e assim que o fiz os miúdos aproximaram-se dele,ele ao ver que tinha ganho a atenção começou a miar.

{gato comprado pelo o Rúben}


Carolina-Posso pegar nele?-a Rita olhou-me.

Rúben-Podes,podes.-ela pegou nele colo e o Simão ia lhe dando festinhas.Sentaram-se os dois no sofá,e iam “partilhando” o gato.

Sónia-Já sabem o nome para esta coisinha fofinha?

Carolina-Princesa!

Simão-Princesa nada!É um gato tola!

Rita-Simão,não se chama isto à tua irmã!-olhou para a Carolina.-E  princesa não é muito adequado filha,é um gato.

Simão-Pode ser Benfica?-sorriu.

Carolina-Não!-falou com uma cara de “desmancha prazeres”.-Se é um menino pode ser príncipe.

Simão-Não pode ser coisa de princesas,eu não quero e o gato também é meu.

Rúben- Pronto vamos escolher outro.-sentei-me ao lado da Carolina.-Um que vocês os dois gostem.

Simão-Eu não quero nada de princesas.

Carolina-E eu não quero de futebol.

Rita-Não é preciso dar já um numa um gato,podem brincar um pouco com ele e depois dão lhe um nome.

Como eles queriam mais brincar com o gato que outra coisa,nem disseram uma palavra e foram para o chão com o gato.O pobre do gato estava a habituar-se à casa e olhava em volta..mas os miúdos lá pegaram numa pequena fita azul e ia andando com aquilo de um lado para o outro,e como o gato queria era brincadeira andava atrás daquilo com se não houvesse amanhã.



Enquanto fiquei com eles na sala,olhava para eles a brincar com aquela pequena bola de pelo e voltei a reparar naquelas patinhas que  ele tinha brancas..achei engraçado ter as quatro patas brancas e por isto aproximei-me dos miúdos.

Rúben-Patinhas?-eles olharam-me,e pararam com aquela coisinha azul.-O que acham?

Carolina-De quê?

Rúben-De chamarem ao gato patinhas.Já reparam que tem as quatro patas brancas?

Simão-É verdade.-tocou nas patas do gato,que não se mexeu pois estava pasmado para aquele coisa azul que os miúdos tinham na mão.-Eu gosto.

Carolina-Eu também.

Rúben-Então pronto,fica patinhas.-eles sorriram.

Como estavam bastante entretidos com o patinhas,fui até à cozinha,se bem que antes de lá entrar pensei duas vezes ,pois a Sónia estava com a Rita,e como não a conhecia a 100% não era a mesmo coisa que estar com a Rita a sós.

Sónia-Queres que vá colocando a mesa?

Rita-Se não te importares.-a Rita falou e ela abriu o armário.Retirou cinco pratos e levou até à mesa.

Rúben-É preciso lhe ajudar ou..-a Rita olhou-me e sorriu.

Rita-Não,ela fez de propósito para nos deixar a sós.

Rúben-Neste caso…-aproximei-me dele e coloquei as minhas mãos na sua cintura,puxei-a para perto de mim,ficando sempre perto do balcão.Beijei-a no pescoço,enquanto ouvia ela chamar o meu nome,mas não ligava e continuava a beijar-lhe.Ela como não parou de falar,virei-a e ao manter as minhas mãos na sua cintura uni os nossos lábios.
Acabamos por ser “interrompidos” pelo o cheiro do que a Rita fazia…

Rita-Porra..-gargalhei ao ver ela toda apressada a tentar por alguma ordem naquilo.-Achas piada é?

Rúben-Sim,tem piada ver-te toda atrapalhada.

Simão-Mãe falta muito para irmos jantar?

Rita-Não está quase,onde está o gato?

Simão-O patinhas?

Rita-Patinhas?-olhou-me.-Já decidiram qual é o nome?

Simão-Sim,foi o Rúben que teve a ideia.-ela olhou-me e sorriu.

Rita-Ah ainda bem.

A Sónia entrou e foi buscar os copos e os talheres.Voltei para a sala e os miúdos não largavam mesmo o gato,e por o pequeno do animal ter apenas uns meses brincadeira era mesmo o que ele queria.E então andava de um lado para o outro atrás de um pequeno fio,deixando os dois miúdos a gargalhar que nem malucos.

(Rita)

Sónia-Se calhar  é melhor chamar o Rúben de volta, não?-olhei-a.

Rita-Porque dizes isto?-ia partindo o rolo de carne.

Sónia-Não sei..talvez porque passei por aqui e vi ele todo agarradinho a ti e como é claro tu parecias estar a gostar.

Rita-Primeiro olha o respeitinho ,e segundo dava só a dar-me um beijinho.

Sónia-Um?!E os outros todos.

Rita-E deixares de ser invejosa.-ela gargalhou.

Sónia-Oh minha querida eu ao contrário de ti não tenho problema nenhum em afirmar que o meu Roberto sabe  fazer as coisas bem feitas e que me deixa mais do que satisfeita.

Rita-Mas a menina quer o quê?-ela sorriu.-Que eu diga que o Rúben não sabe fazer as coisas bem feitas e 
que não me deixa satisfeita?

Sónia-Não sei,não me deito com ele,ao contrário de ti.

Rita-E lá por dormir com o Rúben não quer dizer que vou te contar tudo o que fazemos.Até porque ele sabe muito bem o que faz já agora...

Rúben-Rita..-ouvi a voz do Rúben e arregalei os olhos levando a Sónia a gargalhar antes que eu vira-se para trás.

Rita-Diz.-ele sorria e por o fazer me fez respirar e não ficar tão pasmada.

Ele vinha perguntar se faltava muito para jantar,e como os miúdos não deixavam o gato era melhor chamar-mos para vir jantar assim o gato poderia respirar.

Depois acompanhei a Sónia até à porta,que continuava com aquela conversa por o Rúben nos ter “apanhado”.

Sónia-Ele agora até já sabe o que achas..isto se já não lhe tinhas dito.-gargalhou.

Rita-Não te queres calar mesmo?!-abri a porta.-Achas o quê, que ele vai fazer um filme só porque ouviu aquilo?

Sónia-Pois ele sabe,melhor do que ninguém o que faz.

Rita-Sónia..

Sónia-Já me vou…

Ela saiu e depois fechei a porta.Como já era tarde com a ajuda do Rúben levei os miúdos para a cama.Ele despachou-se desta “tarefa” mais rapidamente e encontrei-o no meu quarto com um dos meus álbuns de fotos na mão.Conheci pela capa que era dos meus álbuns antigos,e sentei-me ao seu lado.

Rúben-Espero que não te tenhas importado que veja.

Rita-Não.-olhei para a fotos.-Já não as via à imenso tempo também..

Rúben-Alguma razão em especial?-virou a página e eu apontei para uma das fotos que lá estava.
{fotos dos álbum da Rita}


Rita-É esta a razão…credo estas roupas.-ele gargalhou.

Rúben-Tinhas muito estilo tu.-sorriu enquanto falava.

Rita-Era não era?-fui na brincadeira dele.Voltou a virar a página vez tinha umas  fotos de quando me apetecia dar umas de “modelo”,o  que o levou a gargalhar.-Tens assim tanta piada é?



Rúben-Desculpa mas estas duas estão de mais.-apontou para das foto onde estava séria.

Rita-É,vais me dizer que também não tens tesourinhos deprimentes?

Rúben-Claro que não.-sorriu,e virou a página.-Mas que raio de foto é esta?




Rita-Sou eu porquê?

Rúben-Não sei talvez por tares nestes preparos.

Rita-Só porque tou de top e bikini?

Rúben-Sim,quem te tirou esta foto?

Rita-Foi o meu namorado daquela altura.

Rúben-Que eu saiba não andamos a tirar fotos contigo em trajes menores.

Rita-Até parece Rúben..foi só algo da altura,mais nada.

Rúben-É algo da altura,tu devias ser boa peça.-falou tipo pai o que acabou por me fazer rir e ele sorriu.

Rita-Era o que era.Fostes um santinho na tua adolescência?

Rúben-Isto já é outra conversa.-gargalhei.

Rita-Pois,pois, devias também ter feito das tuas então não fales mal das minhas fotos.

Rúben-Não é falar mal só que ache estranho mais nada.-virou a página e deu uma grande gargalhada ao ver a foto.-Desculpa mas esta está de mais..a melhor mesmo!-riu.-É que não sei  o que é melhor as calças ou a 
pose.


Rita-Pronto acabou.-fechei o álbum.-Só queres ver isto para gozares comigo.-fingi estar amuada,e fui arrumar o álbum no topo do meu armário,dentro de uma caixa..coisa que fiz para dar ênfase ao meu amuo.

Rúben-Estava só a brincar Rita..

Rita-Mas eu estou a sério.-abri a porta e fui até à sala.

Rúben-Vais ficar amuada é?-peguei no gato.

Rita-Não estou amuada.

Rúben-Que ideia.-coloquei o gatinho na sua caminha que tinha comprado hoje com os miúdos.

Rita-Olha amanhã não vais embora cedo?Devias ir andando para casa.

Rúben-Agora estás a expulsar-me?

 Rita-Não ,só acho que se vais ter de te levantar cedo é melhor ires até casa.

Rúben-Ok.-veio até perto de mim,beijou-me..não o fez de forma breve como esperava e demorou o seu tempo,indo cada vez mais aproximando-me dele,o que me fez ir “perdendo” o meu amuo.

Acompanhei-o até à porta e de seguida não perdi mais tempo,fui me deitar pois estava estafada.

XXXX

(Rúben)

O próximo jogo não seria na Luz,mas mesmo antes de ir para o autocarro tive de arranjar uma maneira de ir num pé e vir noutro à ourivesaria.
O anel que tinha mandado fazer,com a ajuda dos miúdos,estaria pronto hoje.E como queria que estivesse na minha mão para quando voltasse lhe fazer uma surpresa tive mesmo de fazer um esforço para o ir buscar.
Entrei no autocarro e pela primeira vez desde que sai da ourivesaria pude parar um pouco e olhar para o anel.Retirei a caixa do meu bolso e abri-a.Sorri ao olhar para este…ao lembrar-me da ajuda dos miúdos para a sua mãe ter um “presente”.

David-Porque cê tá rindo mano?-olhou-me.-Que é isto cara?-tirou-me o anel da mão.

Rúben-Dá cá isto David.

Primeiro foi para a mão do David e no segundo seguinte já era tema de conversa no autocarro.

O que irá o resto do plantel dizer ao ver o anel ?


Olá meninas!!
Espero que estejas  e ter uma óptima pascoa (com muitas coisinhas doces lool) e que tenham gostado do capitulo :)
Bom bom é mesmo ler as vossas opiniões,pode ser?
Beijinhos para todas e uma Feliz Páscoa! ;)
Rita

segunda-feira, 25 de março de 2013

Capitulo 31-"Já não tenho o gato por tua culpa!"




(Rita)

O Rúben tinha deixado de me ajudar para ir falar com a Carolina..achei estranho mas deixei-os ficar já que via que o Rúben estava  a fazer um esforço,algo que até mesmo a Carolina também fazia e não se importava com o facto de ele agora ser mais do que meu amigo.
Mas isto não foi o mais estranho já que pouco depois vi o Rúben a entrar com os dois ao seu colo,cada um em cada lado.

Rita-Passasse alguma coisa?

Rúben-Não..-perguntei aquilo já que achei mesmo estranho virem até à cozinha os 3 juntinhos.-Só queremos falar contigo.

Rita-Falar?

Rúben-É mais perguntar-te uma coisa..não é meninos?-olhou para eles.

Carolina-É,mas o Rúben é que vai dizer.-vi que aquilo estava a passar de um para o outro,tipo “batata 
quente”.

Rita-Vá,digam lá.

Rúben-É assim,os miúdos gostavam de ter companhia cá em casa.. um novo membro da família.

Rita-Rúben,podemos falar a sós.-interrompi já que entendi onde eles queriam chegar,e aquilo era uma ideia que não dava em nada...

Carolina-Mas o Rúben ainda não acabou mãe.

Rita-Mas já vi para onde isto vai e quero falar com ele,pode ser?!

Rúben-Vão até à sala que já falamos com vocês.-eles saíram da cozinha e ficámos a sós.

Rita-Rúben eu já percebi o que querias me pedir com os miúdos.

Rúben-Ai já?

Rita-Sim e digo já que acho mesmo muito cedo para estas coisa,nunca me tinha passado pela cabeça tal coisa.

Rúben-Acho que não é algo tão “mau", mas no final de contas tu é que tens a ultima palavra.

Rita-Pois eu sei,mas não devias estar a partilhar estas ideias com os meus filhos.

Rúben-Rita até parece que é algo que eles não sabem o que é.

Rita-Mas tu andaste a falar-lhes sobre isto?

Rúben-Um animal e estimação não é tema tabu.

Rita-Animal de estimação…

Rúben-Sim não era isto que te referias.

Rita-Não,pensei que a …termos filhos.

Rúben-Não.-sorriu.-Os miúdos vieram falar comigo para te convencer a lhe dares um animal de estimação.

Rita-Ah ok.

Rúben-Deixas?

Rita-Não,não disse que sim.Fica aqui que vou falar com eles a sós se não te importas.

Rúben-Está bem.

Beijei-o e depois fui até à sala.

Rita-Meninos.-eles esperavam o Rúben por isto quando me viram até ficaram com “medo” do que viria a caminho.-A mãe precisa de falar com vocês.

Carolina-Não vamos poder ter um gato?

Simão-Só um gato mãe.

Carolina-E se o Rúben  der um beijinho à mãe.

Rita-Meninos não é uma questão disto,vocês tem de saber que um gato cá em casa vai significar que vocês 
tem de tomar conta dele.

Carolina-Nós sabemos mãe.

Rita-Mas tomar conta de um gato não é como ter bonecas, é um animal vocês tem de aprender que tem de ter cuidado com ele e atenção.Esperem aqui.-fui à cozinha,o Rúben perguntou-me o que estava a fazer quando abri o frigorífico mas disse-lhe que já vinha.Tirei dois ovos e fui até à sala.Peguei numa caneta e coloquei em cada um dos ovos a inicial deles.-Se vocês conseguirem tomar conta deste ovos dois dias a mãe compra o gato.-não era muito ,mas queria lhes mostrar que tinham  de saber que ter um animal não é assim tão fácil.

Simão-Eles não se podem partir?

Rita-Não,tem de ficar inteiros está bem?

Eles os dois sorriam e acenaram em sinal afirmativo,vi que estavam entusiasmados com o facto de terem um novo “desafio”.
Foram até aos seus quartos,e eu fui com eles.Fizeram pequenas camas para os ovos e depois foram até à cozinha ainda com eles.O Rúben já tinha tudo preparado para o nosso jantar e por isto fomos logo até à mesa.. ele não voltou a tocar no assunto dos gatos,mas este não deixou de estar “vivo” na nossa mesa já que os miúdos  falavam disto a toda a hora.

Rúben-Eles vão ter o gato?-falou no assunto do gato,assim que tivemos uma oportunidade para estarmos apenas os dois juntos…quando estávamos os dois no meu quarto,deitados.

Rita-Não sei, vai depender.-ele não pareceu estar muito interessado no que ia dizer e uniu os nossos lábios,que assim ficaram durante mais algum tempo enquanto nos amávamos-nos.

XXX

Ao abrir aos olhos vi que o Rúben não estava ao meu lado,ou seja deveria estar a fazer o pequeno almoço.Cheguei à cozinha e já estava tudo sobre a mesa.
Fui chamar os miúdos para virem tomar o pequeno almoço connosco e eles lá vieram os dois no meu colo até à cozinha,onde o Rúben ia colocando as ultimas coisas na mesa.

Carolina-MÃE!-falou de uma forma que chamou a atenção de nós os três.

Rita-O que foi filha?

Carolina-O Rúben partiu o meu ovo!!-pegou nas duas cascas do ovo que já estava partido em dois ,e mostrou-me e vi que tinha o “C” que eu tinha desenhado ontem.

Rúben-Teu ovo?

Rita-Deixa estar filha.-peguei na casca de ovo.-É que ontem lhes dei estes ovos para eles terem alguma responsabilidade para poderem ter o gato.

Rúben-Ah..desculpa Carolina.

Carolina-Agora já não tenho o gato por tua culpa!

Rita-Não,não.A culpa não foi tua Carolina,e o Rúben não fez de propósito.

Rúben-É para compensar ter partido o ovo,eu compro-te o gato está bem?

Simão-Sim Rúben!-sorriu.

Carolina-Tem de ser bonito!

Rúben-Está bem.-tossi de forma forçada o fez o Rúben me olhar.-E se a vossa mãe deixar como é óbvio.

Rita-Eles tentaram tomar conta dos ovos,por isto pode ser.Mas vê lá que gato arranjas.

Rúben-Sim,sim.

Já que os ânimos tinha acalmado depois de o Rúben ter trocado os ovos e ter usado o ovo da Carolina,o ambiente mudou logo e foi porque sabiam que iam ter um gato.
O Rúben iria embora,para jogar com a equipa no próximo dia,para jogar fora…então disse que de hoje não passava, ia comprar um gato para eles quando saísse do ultimo treino.
Simão
Rita

Carolina

Ao falar disto lembrei-me que como iríamos ter de comprar aqueles extras todos que temo de ter com a chegada de um gato.
O Rúben teve de nos acompanhar até à casa da Sónia,e pelo o caminho os miúdos pediam para o acompanhar a comprar o gato.

Rúben-Não eu compro o gato e depois levo até à vossa casa.

Carolina-Mas eu quero ir escolher o meu gato.

Simão-E eu também!

Carolina-Ainda vais escolher um gato feio.

Rita-Meninos o Rúben disse que vai comprar o gato nós compramos a cama para ele.

Carolina-Mas o Rúben é um homem,ele não sabe escolher gatos bonitos.-o Rúben estacionou o carro e olhou para trás.

Rúben-Carolina e Simão, vou escolher um gato que vocês vão gostar,prometo.Tem é de deixar de falar nisto..vão com a vossa mãe comprar  comida para o gato e estas coisas,está bem?-eles falarem em coro um “sim”.Levei-os até à casa da Sónia,mas não foi por aí que acabou a conversa dos gatos…confiava no 
Rúben mas como é claro ele não ia comprar o gato sem eu dizer alguns “requisitos”.

Rita-Tem de ser gato,macho.-íamos a entrar no Caixa quando lhe falava no novo membro da nossa família.

Rúben-Macho..ok,mais alguma coisa?

Rita-Tem de ser pequeno,quero que lhe ensinemos tudo.

Rúben-Pronto macho e pequeno,é só?

Rita-Não.-ele olhou-me e vi que não tinha grande “ paciência” para decorar listas mas não ia o deixar trazer um gato lá para casa,para perto dos miúdos sem falar tudo.-Ele tem de vir vacinado ,e como é óbvio tem de se dar bem com crianças..não quero que os miúdos andem todos arranhados.

Rúben-Está bem,está tudo anotado.

Rita-É bom que trates disto como deve ser.

Rúben-Vou tratar.-cheguei perto do balcão do Caixa.

Despedi-me dele,e fui para o meu trabalho.A Joana e a Daniela já teriam notado que eu e o Rúben éramos mais do que amigos  mas não faziam muitas perguntar..talvez porque tinham notado que não era nada nosso estar na “cara” de todos.

O fim do dia de trabalho chegou rápido,e para além de o Rúben ter uma tarefa para resolver eu também tinha..e não o fiz sozinha.O Roberto ia fazer mais alguns turno no trabalho e então convidei a Sónia para vir connosco até ao supermercado.
Eles correram até à parte onde tinha tudo para animais,o que até era estranho pois o natural era correram até ao corredor dos doces.

Sónia-Então o Rúben vai lhes oferecer um gato?

Rita-Sim vai,os miúdos muito pediram ,e acho que eles vão gostar de ter uma “companhia”.

Sónia-É, e pelo os vistos não são os únicos que tem companhia…

Rita-O que queres dizer?-ela sorria.

Sónia-Ouvi dizer que o Rúben passa muito tempo lá em casa.

Rita-Pois se é meu namorado é normal.

Sónia-Ai nossa, meu namorado..-sorriu.-Toda babada.

Rita-Não é babada ,só disse a verdade.

Sónia-Sim,sim.Já me contavas era mais detalhes.

Rita-Detalhes de quê?-sorri-lhe.

Sónia-Daquilo.-olhou para os miúdos e depois para mim.

Rita-Olha se estás a referir-te ao que eu penso que estás a referir,é que nem penses que vou tar para aqui a falar-te de pormenores.

Sónia-Mas porquê?

Rita-Porque isto não é assunto para conversa,só diz respeito a mim e ao Rúben.

Sónia-Ao menos podias dizer se é bom ou não..

Olhei-a e nem respondi,já que não era mesmo assunto para “discussão”.Comprámos comida para gato,e uma cama.O que foi um pouco difícil escolher uma já que a Carolina queria levar uma rosa e o Simão estava completamente contra esta ideia..ela lá acabou por compreender quando lhe disse que era um gato,ou seja não era adequado uma cama rosa.




{cama para o novo gato}

Ao chegar a casa,colocámos tudo pronto para receber o novo membro da família e os miúdos esperavam no sofá.

Rita-Vou fazer o jantar mais a Sónia,querem vir?

Simão-Não ,vamos ficar aqui à espera do Rúben!

Carolina-É assim quando o Rúben chegar somos os primeiros a ver o gato.-eles sorriam de orelha a orelha,sentados aguardando atenciosamente que tocassem à campainha.

Disse-lhes que ficassem ali sossegados que eu iria começar a fazer o jantar,e se quisessem alguma coisa era só chamar.
Eles ficaram sossegados até se ouvir a campainha aí,ouvi “ele já chegou” e uma corrida até à porta..eu e a Sónia seguimos os miúdos e quando lá chegamos eles saltavam tentando abrir a porta.

Rita-Eu abro.-abri a porta e eles afastaram já que o Rúben trazia uma caixana sua mão.

Irão os miúdos gostar do gato?
Terá o Rúben feito uma “boa escolha”?

Olá meninas:)
Espero que tenho gostado do capitulo e quero mesmo muito ler as vossas opiniões sim? :D
Beijinhos!!!!!
Rita


sexta-feira, 22 de março de 2013

Capitulo 30-"Então dá a ela um anel,e diz se quer ser tua namorada!"



(Rúben)

Simão-Tu estavas a dar um beijinho à minha mãe.-olhei-o e sorri.-Não é para rir Rúben.-disse aquilo de uma forma,que tive de fazer um grande esforço para não voltar a gargalhar.

Rúben-Desculpa puto,diz lá.

Simão-Tu agora és o namorado da minha mãe não é?

Rúben-Sim.

Simão-Mas tu antes namoravas com a Laura.

Rúben-Namorava puto,mas as pessoas depois podem separar-se é normal acontecer.

Simão-Eu sei Rúben.-falou como se já tivesse “a escola toda”.-Se tu deixaste de ser namorado da Laura,e 
agora és da minha mãe..não quero que a minha mãe fique triste se fores embora.

Rúben-Puto eu gosto muito da tua mãe,e não vou deixá-la triste podes ficar descansado.

Simão-A gente não quer a nossa mãe triste.-a Carolina ouvia a conversa sentada ao lado do Simão, e de vez em quanto olhava para o lado,sendo que assim que ele falou em “a gente” ela olhou-o.-Tens de prometer que nunca vais deixar a minha mãe triste.

Rúben-Tanto tu como a Carolina não vão ver a vossa mãe triste,porque eu gosto dela e preocupo-me com ela tal como vocês,sei que não gostam de vê-la triste e acreditem que vou tentar fazer os possíveis para que isto não aconteça

Simão-Se tu deixares ela triste eu fico chateado contigo.-cruzou os braços com um ar todo senhor do ser 
nariz.-Não jogo mais contigo nem nada.

Rúben-Pois mas eu nunca vou deixar a tua mãe triste,por isto não se preocupem.

Simão-Prometes?

Rúben-Prometo.-a Carolina olhava-nos enquanto “selava” aquela promessa  com o puto.

Carolina-Porque tu já não tás com a Laura?-tanto o Simão como a Carolina olharam-me e vi que aquilo despertou curiosidade neles.

Rúben-Tal como vos disse as pessoas às vezes separam-se,é normal acontecer.Mas eu gosto mesmo muito 
da vossa mãe.Eu e a Laura já não estamos juntos porque já não gostávamos um do outro como eu gosto da vossa mãe e ela de mim.

Carolina-Tu já perguntaste à minha mãe se ela quer ser tua namorada?-olhei-a.

Rúben-Se perguntei..Não,mas eu e a tua mãe já estamos juntos,não foi preciso perguntar nada.

Carolina-É preciso sim!

Simão-Se gostas da minha mãe a sério,tens de perguntar!

Carolina-E dar uma anel a ela!-olhei para a miúda com uma cara tipo “tás a gozar”,já que ela tava cheia de exigências.-É verdade!Assim quer dizer que não gostas delas  a sério!Nos filmes das princesas,tem sempre anéis bonitos que os namorados dão a elas,quando dizem se elas querem namorar com eles,

Rúben-Mas a vossa mãe não gosta destas coisas.

Carolina-Gosta sim,todas as meninas gostam e a minha mãe gosta.

Rúben-Dão se anéis quando se perguntam em casamento ,não vou pedir a vossa mãe em casamento.

Simão-Oh Rúben a minha mãe merece.-olhei para o puto pois não esperava que um puto de cinco anos me disse-se aquilo.

Rúben-Sei que a vossa mãe merece.

Carolina-Então dá a ela um anel,e diz se quer ser tua namorada!

Rúben-Meninos eu compreendo que queiram ver as vossa mãe feliz,mas as coisas às vezes não acontecessem como nos filmes ,eu e a vossa mãe estamos bem assim.

Carolina-Se não perguntas à minha mãe eu digo a ela que afinal não gostas mesmo dela.

Rúben-A tua mãe sabe que eu gosto dela,e não é preciso comprar nada porque não vou pedir a tua mãe em casamento.

Carolina-Tu não és mesmo nosso amigo,nem gostas da nossa mãe.-ela falou e levantou-se e braços cruzados,o Simão olhou para mim e depois fez o mesmo que ela,levantou-se com um ar chateado comigo e que não queria mais ouvir o que lhe dizia.

Ainda continuei algum tempo sentado na minha,e como eles não voltaram fui até à cozinha.Não queria tocar naquele assunto e perguntar-lhe se tinha ou não grande importância perguntar se queria ser ou não minha namorada e ainda lhe dar um anel ..Já estávamos juntos como um casal,e mesmo sendo que estamos juntos à pouco tempo,não é preciso estas “mariquices” todas.
Eles vieram jantar sendo que o fizeram sem dizer uma palavra..eu não achei estranho e sabia porque o faziam  já a Rita perguntou-lhes se estava tudo bem.

Simão-Sim.

Rita-Estão muito calados.

Carolina-A gente não tem de falar.-olhou-me.-O Rúben é que devia falar com a mãe.-o facto de eles estarem a embirrar com isto não me estava a incomodar,mas da maneira que a miúda falava e de eles os dois estavam até parecia outras coisas.

Rita-Falar comigo?-olhou-me.-Porquê?

Rúben-Não é nada Rita.

Rita-Então porque eles disseram aquilo?

Carolina-Porque é a verdade,não vês nos filmes!-disse olhando-me e foi ai que isto tudo me começou a “irritar” um bocado.

Rúben-Já te disse que o que vês nos teus filmes de princesas não é verdade.

Carolina-O amor das princesas e dos príncipes é verdade,não é mãe?-a Rita olhou-me e vi que estava com aquela expressão no rosto de não querer responder,e até mesmo chateada por me ter ouvido dizer aquilo e por em causa o que a miúda achava como dogma ou assim.

Rúben-Não foi isto que quis dizer.

Carolina-Mas é verdade mãe não é?-vi que independente do que poderíamos dizer agora ela queria mesmo era uma resposta para a sua pergunta.´

Rúben-Sim é verdade Carolina.

Ela não voltou mais a tocar no assunto e sinceramente achei que depois do jantar ia levar um raspanete da Rita,mas ela apenas me disse que tratava de arrumar a cozinha e que podia ir ter com os miúdos.Falou aquilo pois queria alguém a tomar conta deles mas depois daquilo que tinha acontecido,eles não me iam receber com grande cara..o que assim que cheguei à sala confirmei.Olharam-me e a Carolina,sendo mais “desbocada” falou.

Carolina-O que queres?

Rúben-Vim ter com vocês um bocadinho,posso?-perguntei mesmo antes de me sentar.Eles não responderam e como não ia ficar ali parado acabei por me sentar.Eles estão a ver aquele filme que tínhamos visto à dias pelos os vistos ,pois tinham gostado imenso e viam imensas vezes,e como estávamos em silêncio bastante tempo pensei em dizer-lhe algo..não o que planeava dizer mas se era o que é preciso lá falei.- 
Amanhã querem ir comigo lanchar?-eles olharam-me os dois com o mesmo ar.

Simão-Onde?

Rúben-Onde vocês quiserem.

Carolina-E porque a gente ia dizer que sim?-olhei para trás enquanto decidia se ia com aquela ideia para a frente,e para ver se a Rita tava por perto.

Rúben-Porque quero ir lanchar com vocês, não querem vir?

Carolina-Estamos chateados contigo.-enquanto o Simão ficava calado,ela não tinha tino na língua e dizia tudo e mais alguma coisa.

Rúben-Pensei que queriam ir comer um gelado comigo mas tudo bem..

Passaram alguns minutos em silêncios  mas depois o Simão veio falar comigo.

Simão-Podemos ir comer gelado contigo e continuarmos chateados?-gargalhei.

Rúben-Pode ser desde que venham comigo tudo bem.-o Simão olhou para a Carolina como se estivessem 
decidindo se deveriam aceitar.

Carolina-Está bem nós vamos.

Eles não voltaram a tocar mais neste assunto mas tive de falar disto com a Rita.

Rita-Levá-los a lanchar?

Rúben-Sim,vamos comer qualquer coisa.Não te importas?

Rita-Acho que não,mas sabes que vais ter de os ir buscar à Sónia.

Rúben-Ok,é na boa.

Ela achou estranho eu querer levar os miúdos a lanchar,já que eles não pareciam estar muito contentes,e não era habitual os levar a lanchar,mas tinha um plano e queria pôr lo em pratica. Uma espécie de dois em um..os miúdos estavam chateados por eu não seguir com aquela ideia de comprar para a mãe deles um anel e pedir-lhe para namorar comigo.Mas como eles tinham ficado mesmo ofendidos com o facto de não ir com as suas “teorias”,então decidi que ia fazer isto que eles me tinham falado.Ia o fazer  à minha maneira.Se iria perguntar à Rita se queria ser minha namorada ia querer tornar isto especial ,e ai que os miúdos entravam.Iam dar o toque que eu precisava a este anel.


XXX
Tal como a Rita me tinha dito para sair com os miúdos ia ser preciso eu ir até à casa da Sónia,e como tal assim o fiz.

Sónia-Olá Rúben.

Rúben-Olá.-ela sorriu e parecia já ser que ia aparecer lá em casa.-Tudo bem?

Sónia-Sim e contigo?

Rúben-Está tudo óptimo.-como já tinha entrado olhei em volta para ver se descobria onde estavam os miúdos.-Os miúdos?

Sónia-Estão a ver televisão vou os chamar.

Ela foi os chamar e eu esperei por eles perto da porta.Vieram os dois com pequenas mochilas às costas,mais do que prontos para irem até ao meu carro.

Simão
Carolina




Pelos os vistos tinham esperado por este lanche e como viram que estava a levá-los para outro lado que não uma pastelaria ou assim começaram com perguntas.

Simão-O que é isto?

Rúben-Já vos mostro.

Entramos na ourivesaria e eles olharam em volta,perguntavam e perguntavam o que era aquilo e quando cheguei perto do balcão abaixei-me ficando ao nível dele e falei.

Rúben-Vocês disseram que eu devia comprar um anel para a vossa mãe não é?Então vamos fazer um anel para a vossa mãe.

Carolina-Vamos fazer um anel para a mãe?-ela falou com o maior sorriso que alguma vez vi a Carolina ter no seu rosto.

Rúben-Sim,mas preciso da vossa ajuda.

Simão-O que vamos fazer?

Peguei neles cada um para o seu lado e já perto do balcão o funcionário aproximou-se.Disse-lhe o que pretendia fazer e pouco depois ele trouxe uma caixa com aquelas pedrinhas que se podiam colocar nos anéis.

Disse para cada um deles escolher uma.

Simão-Eu quero a azul!-apontou para o pequeno compartimento que tinha as pedrinhas azuis.

Carolina-Eu quero a roxa,é a cor que a minha mãe mais gosta.

A mim cabia-me escolher,já mais tarde,o tipo de anel onde seria colocado aquelas duas pedras que os miúdos tinham escolhido.

Escolhemos o anel e depois levei-os tal como lhes tinha prometido a lanchar.Eles quiseram comer um gelado logo paramos numa gelataria. Cada um deles escolheu um gelado e na sua taça colocou o máximo de coisas doces possíveis ( só imaginava o que poderia a Rita dizer se visse eles com aquilo),o que os deixou com um sorriso enorme enquanto íamos até à mesa.
Ajudei cada um deles a sentarem-se e depois sentei-me ao seu lado.Eles logo começaram a comer e vi que se iam deliciando com aquele gelado.

Rúben-Então gostaram de eu comprar um anel para a vossa mãe?

Carolina-Mas o anel é de a gente todos,ou só teu ?

Rúben-Carolina vou dar o anel quando falar com a tua mãe,mas é claro que lhe vou dizer que vocês me ajudaram a fazer o anel.

Carolina-Então ficamos contentes.

Simão-Quando vais dizer à minha mãe se ela quer ser tua namorada?

Rúben-Não sei..

Carolina-Podias fazer um jantar bonito para a nossa mãe.

Simão-Sim com flores e velas,como nos filmes dos namorados.-sorri ao ver os putos mesmo empenhados 
para fazer uma surpresa para a sua mãe.

Rúben-Um jantar?

Simão-Sim.

Carolina-Mas tinha de ser giro,porque é para a nossa mãe.

Rúben-Posso tentar  fazer isto.

Carolina-Se fizeres um jantar para a minha mãe tem de ser bonito.

Rúben-Acham que a vossa mãe ia gostar?-eles acenaram os dois com  cabeça em sinal afirmativo.-Então está bem.

Carolina-Quando vai ser?

Rúben-Ainda não decidi,tenho de tratar disto,não é algo fácil de fazer.

Simão-Oh porque não é amanhã?

Rúben-Não sei puto,vou ver como me arranjo mas vocês para além de estarem a comer gelado já vos disse que vou fazer o jantar para a vossa mãe,e ainda lhe comprei o anel,deviam ficar mais do que contentes.

Carolina-Se fizeres as coisas como deve ser a gente fica contentes.

Gargalhei ao ouvir a miúda,pois com aquela conversa já mostrava que tinha a escola toda..Já estava perto da Rita sair do Caixa então fui com eles a buscar.

Rita
Em casa ajudei-a a preparar o jantar,ma quando colocava os pratos na mesa fui puxado até à sala.

Rúben-Precisas de alguma coisa?-abaixei-me perto da Carolina.

Carolina-Quando vais falar com a minha mãe?

Rúben-Carolina já te disse que tenho de planear o jantar e só depois é que vou falar com a tua mãe e dar-lhe o anel.

Carolina-Não..não é sobre isto.

Rúben-Então é sobre o quê?

Carolina-O meu gato.

Simão-Quem é que vai ter um gato?-o miúdo ouviu a palavra “gato” e parecia que a Carolina não era a 
única que queria ter um animal de estimação.

Carolina-Sim o Rúben vai nos ajudar a ter um gato!

Simão-Um gato?Montes de fixe!

Rúben-Calma eu ainda nem falei com a vossa mãe,ela é que vai decidir se vocês terão o gato ou não.

Simão-Está bem.

Cada um deles saltou para o meu colo e fui até à cozinha,como é óbvio assim que a Rita me viu entrar na cozinha com eles dois no meu achou estranho..especialmente depois de ter saído para irmos até à sala.
Espera da Rita uma reacção não muito positiva..logo o que obtivemos foi sem dúvida ..diferente.
Como terá reagido a Rita a esta ideia dos miúdos?

Irá ficar chateada com o Rúben?

segunda-feira, 18 de março de 2013

Capitulo 29-"Tens medo da minha mãe?"



(Rúben)

Carolina-Toma.-deu-me um papel e depois de olhar algum tempo para cada recanto do papel peguei,já que nos últimos tempos esta miúda não tinha feito outra coisa a não ser brincar com a minha cara,aquilo ainda podia ser uma brincadeira.Abri o papel  vi que estava escrito “ desculpa” e um desenho de um jogador de futebol e uma bola,não pode deixar de sorrir quando vi aquilo já era mesmo apenas isto que estava no papel,e nenhuma destas coisas era típica da Carolina.

Rúben-Tens alguma coisa para dizer?-ela olhava-a.

Carolina-É para ti o papel.

Rúben-Eu sei,mas podes me dizer porque me estás a dar este desenho.-ela olhava-me com as mãos atrás das costas,encostada ao sofá perto de mim.

Carolina-Porque eu quero dizer desculpa por ter riscado a tua cara quando tu ias para o trabalho.-vi que estava com grandes intenções de resolver as coisas,e apesar de não ser um pedido de desculpas muito directo,era honesto.

Rúben-Já entendeste que não se deve fazer aquelas brincadeiras?-ela acenou com a cabeça em sinal afirmativo.-E este  desenho foste tu que fizeste?-sabia que tinha sido feito por ela, mas tinha de arranjar alguma forma de a fazer falar sobre aquele papel.

Carolina-Sim,é porque tu jogas futebol por isto fiz um jogador e uma bola.-gargalhei.-Não gostas?

Rúben-Gosto,gosto.-estiquei os braços.-Dás-me um abraço?-ela olhou-me ,e mesmo estando perto de mim deu breves passos até chegar aos meus braços.Senti as suas mãos em volta do meu pescoço,pousou a sua cabeça sobre o meu ombro esquerdo,ficou alguns segundos nos meus braços e depois afastou-se.

Simão-A mãe disse que já ia fazer pipocas.

Carolina-Pipocas?-viu o Simão chegar,entusiasmado e foi até ao seu lado.

Simão-Sim.-passou por perto dela e sentou-se ao meu lado,no sofá.-O Rúben disse que a gente podia ver um filme,fui pedir à mãe para fazer pipocas e ela disse que sim.

Carolina-Qual é o filme que vocês vão ver?

Simão-É um filme com monstros! –a miúda ,sendo a “princesinha” que é quando ouviu o irmão falou aquilo ficou com uma cara horrorizada  demonstrando que não queria fazer parte disto.

Rúben-Não é nada,vamos escolher um filme que todos possamos ver.

Carolina-Se for um filme giro eu também quero ver.-veio se sentar ao lado do irmão,esticando as pernas que longe estavam do chão,tal como as do Simão,ficando os dois olhando-me.

Simão-Qual vai ser então Rúben?

Carolina-Pode ser das princesas?-disse com um sorriso para nos tentar convencer na sua escolha.Sinceramente não me importava,mas sabia que o Simão não ia nesta conversa.

Simão-Oh princesas não quero.E o Rúben também não quer!-colocou a língua de fora para a irmã que o 
olhava um  pouco chateada por ter aquele opinião quanto às suas “queridas” princesas.

Carolina-Eu não quero ver um filme com monstros,são feios e eu não quero!

Rúben-Calma,vamos encontrar aqui algum filme que possamos todos ver.

Procurei pelas varias listas quais os filmes disponíveis para o nosso serão,e nem era necessário abrir a boca para perguntar se gostavam ,já que os “barulhos” que faziam sempre que eu mudava era mais do que suficiente.Ou um “sim!!!” que depois seguia-se de um “não gosto desta”,ou de ambos terem a mesma opinião e não gostarem do filme.Já se ouvia as pipocas que dali a pouco estariam a chegar e ainda nem tínhamos decidido que filme iríamos ver..ao passar por um filme ,que não era propriamente recente,mas que foi o primeiro e único a receber “sim!!” dos dois lados.

Rúben-Então é este?

Simão\Carolina-Sim.-sorriram.

Disse-lhes que iríamos esperar pela sua mãe chegar e que só depois iríamos ver o filme,mas como ela iria demorar mais alguns minutos vimos o trailer.Eles pareciam ter gostado imenso deste filme e ficavam todos entusiasmados a ver o trailer.
video




Rita-Então qual é o filme que vamos ver?-trazia em cada mão uma taça de pipocas,deu-me uma a mim e 
sentou-se na outra ponta ao lado da Carolina.

Simão-A idade do gelo 4.

Como já cá estávamos os quatro,começamos  a ver o filme enquanto íamos comendo as pipocas que a Rita tinha feito.Os miúdos adoram e a prova disto era as gargalhadas que davam,que se ouviam a quilómetros que acabavam por ser “contagiosas” e nos fazerem rir também.
Terminou o filme e eles já esfregavam os olhos,teimavam que não estavam com sono mas era mais do que óbvio que estava a ficar demasiado tarde.

A Rita pegou na Carolina e como o Simão ao seu lado já estava também às cabeçadas,peguei no puto.Levei-o até ao seu quarto e deitei-o sobre a cama.Olhei em volta e não o podia deixar ali sobre os lençóis com aquela roupa vestida,pelo menos não era isto que via os outros pais fazerem,e como a Rita estava a deitar a Carolina eu deveria fazer o mesmo.Tirei os sapatos,e como ele estava cheio de sono nem se mexia.Procurei pelo os armários até encontrar um pijama,voltei para perto do puto e lá lhe vesti o pijama.Agora que já estava mais confortável,voltei a pegar nele e coloquei-o debaixo dos lençóis.A Rita entrou no quarto e vi-a abrir a gaveta onde há  pouco tinha tirado o pijama.

Rúben-Não é preciso.-olhou-me.-Já lhe vesti o pijama.

Rita-Já?-ficou surpreendida.

Rúben-Sim.-desviei-me mostrando que o puto já dormir debaixo dos lençóis com o pijama vestido.

Rita-Oh,obrigada.

Rúben-De nada.-saímos do quarto os dois e como ela foi até ao seu quarto,não fiquei a meio caminho e entrei também.Ela estava sentada na cama e com a mão na gaveta,ela olhou-me enquanto me sentei ao seu lado e ao aproximar os nossos lábios ela falou.

Rita-Rúben tive um dia longo..podes cá ficar,não me importo nada pelo o contrário mas espero que 
entendas que não vai acontecer o mesmo que ontem à noite.

Rúben-Eu compreendo.-vi que ela estava a tirar uma camisa de dormir.

Rita-Mas podes ficar a sério.-colocou a sua mão no meu rosto e falou com um sorriso.-Não me importo 
nada de dormir agarrada a ti.-sorri ao ouvi-la.

Rúben-Então neste caso.-peguei nela e levei-a até ao centro da cama.Assim que ia tocar com os meus lábios nos seus ela já ia falar mas nem lhe deixei.-Eu sei estás cansada e tal..-falei com os nossos lábios a tocarem-se e depois de o fazer juntei-os por completo.Ela não me parou mas também sabia que queria descansar,e por isto não passamos de uns beijinhos,pois respeito o pedido dela.

XXX

Estava com a cabeça da Rita sobre o meu peito,quando comecei a sentir puxarem cada vez mais pelo lençol e aquele frio que cada vez mais ia aumentando,pois até agora tínhamos estado naquele quietinho na cama.Abri os olhos e quando olhei para o meu lado dei de caras com a Carolina.

Carolina-Outra vez?!?!?-falou com um tom que até me assustou e por me olhar de uma maneira que parecia que o seu olhar penetrava,dei um pequeno salto para trás.A Rita com aquele meu salto,levantou a cabeça e bocejou.

Rita-O que se passa?

Carolina-Porque o Rúben tá outra vez aqui?E a dar um abraço à mãe?-lembrei-me que ainda tinha os meus braços em volta da Rita e afastamos-nos um do outro.

Rita-O Rúben…

Rúben-Tive um problema no carro..-a Rita deu-me aquele olhar de que tinha acabado de dar uma desculpa 
que não serviria para nada.

Carolina-O teu carro tem sempre problemas,não presta.-saltou para cima da cama e agarrou-se ao pescoço na mãe,ficando entre nós.-E porque o Rúben tem de ficar aqui?Se o teu carro tem um problema vai pá casa da tua mãe.

Rita-Oh filha,o Rúben teve de ficar aqui,porque estava já cá em casa.-ela olhou-me.-Rúben eu vou com eles até à sala,se não te importas despachavas-te e ias até lá.

Ela falou aquilo e saiu com a miúda.Vi que a Rita não tinha gostado do facto de a miúda nos ter apanhado outra vez,então despachei-me e fui até à sala.A Rita estava sentada na beira da mesa da sala e os miúdos no sofá,na sua frente.Cheguei e a Rita olhou-me.

Rita-Podes te sentar aqui.-e ao falar afastou-se mais um pouco deixando algum espaço livre para me sentar ao seu lado..e eu assim o fez.Ela olhou-me.-Eu acho que devemos falar com eles.-percebi onde ela queria chegar,e olhei para os miúdos que mesmo tendo acordado à pouco estavam com imensa atenção.-A mãe e o Rúben tem algo para vos dizer.

Simão-É porque o Rúben ficou aqui outra vez?

Carolina-É o carro do Rúben que não presta.-sorri ao ouvir a miúda que falou aquilo com um ar como o que tinha dito à pouco fosse realidade.

Rita-Mais ou menos,o Rúben tem ficado cá em casa porque.-olhou-me.-Vocês sabem que às vezes um mulher quando conhece um homem podem ser mais do que amigos.

Carolina-Mas a mãe e o Rúben são só amigos não é?-a Rita ia falar mas vi que lhe faltou as palavras e não consegui olhar para a miúda e dizer aquilo ao mesmo tempo.

Rúben-É isto que a tua mãe quer explicar ,que às vezes as pessoas tornam-se mais do que amigos,o que é normal..as pessoas começam a passar mais tempo juntas,e tornam-se como uma família.

Simão-Mas porque tamos a falar de namorados?

Rita-Porque..porque a mãe e o Rúben estão a tornar-se mais do que amigos.

Carolina-O Rúben é o namorado da mãe?-falou séria.

Rita-Sim,e é por isto que  o Rúben tem ficado cá em casa,porque quando as pessoas deixam apenas de ser amigos como já vos dissemos,começam a estar mais juntos o que é natural num namoro.

Carolina-O Rúben para namorar com a mãe a gente tem de deixar.

Simão-Eu deixo mãe!-sorriu e deu um saltinho do sofá,enquanto levantava o indicador,mostrando que estava completamente de acordo.

Carolina-Pensava que  Rúben era só amigo da mãe.-disse aquilo de braços cruzados,e como não tocava com os pés no chão, apoiou-se no sofá para se colocar de pés e saiu.A Rita olhou-me,e levantou-se.

Rúben-Espera.-puxei pelo braço dela.-Eu acho que posso ir.

Rita-Tu viste como ela está é melhor eu ir.

Rúben-Não a sério.-levantei-me.-Eu consigo falar com ela e explicar-lhe isto.

Rita-Tens a certeza?

Rúben-Absoluto.

Simão-Oh Rúben comigo não precisa que eu gosto que sejas o namorado da minha mãe.-sorrimos a ouvir o miúdo falar.

Rita-Então nós vamos para a mesa.-pegou no puto,que continuava com um sorriso.-Depois vão até lá.

Rúben-Está bem.-beijei a Rita na nuca e fui até ao quarto a Carolina.Ela estava perto da mesinha rosa onde tomava o seu “chá”,com dois livros das princesas na sua frente.

Carolina-Porque tás aqui?

Rúben-Vim falar contigo.-sentei-me.-Ficaste chateada?

Carolina-Não gosto que a minha mãe tenho um namorado.-falava sem me olhar.

Rúben-A tua mãe ter um namorado não vai querer dizer que vai passar menos tempo contigo,ou que vai gostar menos de ti.

Carolina-Mas os namorados tão juntos.-levantou-se e olhou-me.-Os namorados vivem na mesma casa,tem bebés,e a minha mãe já tem bebés e tu não és o meu pai por isto não podes namorar com a minha mãe!

Rúben-Lá por  não ser teu pai,não quer dizer que não goste de ti e que não me preocupe contigo Carolina.

Carolina-A minha mãe não precisa de um namorado,e tu só queres jogar à bola não vais tomar bem conta da minha mãe.

Rúben-Sabes que eu gosto muito da tua mãe.Preocupo-me mesmo muito com ela,e com vocês.A tua mãe já está feliz por vos ter a vocês,mas se queres ver a tua mãe bem não devias fazer estas birras.Não vos quero mal nenhum,e não sei porque não gostas de estar comigo,que eu saiba nunca te fiz nada.

Carolina-Quando eu era mais pequena não tinha pai,e a minha mãe não  tinha namorado agora não preciso que ela tenha.

Rúben-Tens de entender que estas coisas acontecem,há miúdos que crescem numa família que tem um pai e uma mãe mas há outros que não,e isto não é um problema nem a tua mãe ter um namorado é um problema.

Carolina-Tu agora vais ficar mais tempo, vais estar sempre com a minha mãe,a fazer coisas que os namorados fazem,e a minha mãe não faz isto..ela não precisa de um namorado.

Rúben-Carolina.-sabia que ela não ia adorar,mas suavemente agarrei as suas mãos e puxei-a para perto de mim.-Eu sei que a tua mãe não tem um namorado desde que nasceste mas tu também tens de entender que lá por isto não significa que não mereça ter uma pessoa ao seu lado.-olhei para cima da mesa.-Olha por exemplo,as histórias que tu lês das princesas,todas elas tem os seus príncipes,tem alguém especial para elas..e tu sabes como elas ficam quando encontram os príncipes não sabes?

Carolina-Felizes para sempre..-disse aquilo lentamente como debatendo com o seu orgulho e não querendo concordar comigo.

Rúben-Exactamente,ficam felizes e tal como as princesas não achas que a tua mãe deve ser feliz?

Carolina-Sim.

Rúben-Então não devias ficar assim só por que estou com ela está bem?-ela olhou-me e como não tive resposta,ou seja não argumentou mais achei que tinha entendido o que tinha ouvido.-A tua mãe disse para irmos até à cozinha tomar o pequeno almoço,está bem?

Carolina-Está bem.-olhou para trás antes de chegar perto da porta.-O teu carro está mesmo estragado?-não achei que deveria dizer a verdade,que tinha era inventado aquilo de o meu carro estar “estrago” como ela dizia.

Rúben-Sim tens um problemas vou arranjar ele hoje.

Ela saiu do seu quarto e eu fui atrás dela.Chegámos à cozinha e a Rita olhou-me,quando passei perto dela disse-lhe que tinha falado com ela;perguntou como ela tinha reagido a que respondi “mais ou menos”,pois ela nem tinha embirrado como também não tinha concordado.
Durante o pequeno almoço não voltamos a tocar mais neste tema já que na mesa as opiniões divergiam..e só ia acabar em discussão.
Fui até ao quarto para calçar os meus sapatos,ouvi abrirem a porta e olhei com um sorris pois esperei que fosse a Rita que viesse ter comigo um pouco antes de ir trabalhar.

Rúben-Carolina…

Carolina-Quero falar contigo.

Rúben-Falar comigo?

Carolina-Sim.-sentou-se ao meu lado,na beira da cama,todo “mulherzinha”.-Tu compraste roupa para o Simão.

Rúben-Roupa?-interrompia.

Carolina-Sim,eu lembro-me!Compraste roupa e até compraste óculos para ele e tudo!

Rúben-Ah sim,foi à uns dias mas o que tem?

Carolina-É que eu preciso da tua ajuda para a minha mãe deixar eu ter uma coisa.

Rúben-E eu tenho de te ajudar?E porque falaste nas roupas do teu irmão?

Carolina-Porque se tu compras coisas para ele,também podes me ajudar a convencer a mãe.

Rúben-Oh Carolina se é algo que a tua mãe não quer,tens de compreender e não insistir.Sabes como ela é,não gosta que eu te faça as vontade todas.

Carolina-Gostas mais do Simão do que mim é?

Rúben-Eu não disse isto.

Carolina-A mãe gosta de ti,ela vai deixar se tu também quiseres o que eu quero.

Rúben-Carolina tu queres princesas e bonecas eu não quero isto,está bem?

Carolina-Não é nada..-vi que não estava a gostar de que lhe tivesse a dizer que não e olhou-me com um ar que ia me explicar tudo bem explicado.-Se tu gostas da mãe e a mãe gosta de ti,eu posso pedir uma coisa a ela com a tua ajuda e ela deixa.

Rúben-Não sei Carolina.

Carolina-Tens medo da minha mãe?

Rúben-Mas afinal o que lhe queres pedir?

Carolina-Um gato.

Rúben-Um gato?!A tua mãe não vai deixar.

Carolina-Se me ajudares deixa.

Rúben-Sabes que se te ajudar ,e ela não deixar vai ficar chateada comigo também.

Carolina-Não vai nada,por favor Rúben..-fiz olhinhos.-Vá lá.-e para dar cabo de tudo fez também beicinho.

Rúben-Falo com ela,mas não é agora.Mais tarde.

Carolina-Está bem.-colocou-se de pé.-Mas prometes que fales?

Rúben-Prometo.-ela sorriu,abriu a porta e saiu. Abaixei-me para atar o sapato e quando olhei vi que a Rita me olhava.

Rúben-Passasse alguma coisa?

Rita-A Carolina saiu agora daqui.

Rúben-Sim.

Rita-Pois isto eu vi,mas quero saber é porquê?

Rúben-Então veio falar comigo.

Rita-E sobre o quê?

Rúben-Foi sobre aquilo do carro.-não ia já falar do que a Carolina me tinha pedido,já que tinha 99% de certezas que a Rita ia dizer que não e ainda me ia voltar a acusar de estar sempre a ir nas conversinhas deles só para lhes fazer as vontades.-Por usar tanto esta desculpa a miúda diz que tenho de ir arranjar  o carro.

Rita-Pois,mas também agora ninguém tem de usar mais desculpas.

Rúben-Isto quer dizer que posso ficar aqui mais vezes.-ela abriu as portas do roupeiro e depois olhou-me.

Rita-Não,só disse que agora que os miúdos já sabem que estamos juntos não precisamos de esconder isto de mais ninguém.

Rúben-Nem do pessoal do Caixa?-ela acenou com a cabeça em sinal negativo.-Nem da nossa família?-olhou-me.-Afinal não quer dizer isto..

Rita-Não,não é isto.Os meus filhos já sabem,agora quanto a pais,tios e isto podemos esperar, não há pressa.

Rúben-Não quero apressar,só que se a oportunidade aparecer não quero ver que afinal não tens muita vontade de conhecer a minha família.

Rita-Não te preocupes.-tirou a sua roupa e colocou sobre a cama.-Se acontecer naturalmente não há problema..e também já conheces o meu pai e a minha mãe por isto.

Rúben-Sim,sei que também conheces o meu irmão mas uma coisa é o conheces como amiga e outra como minha namorada.

Rita-Rúben vamos ter tempo para isto está bem.-colocou as suas mãos no meu rosto e depois beijou-me.

Rúben-Está bem..

Ela pegou na sua roupa e fui até à casa de banho.Como os miúdos já estavam prontos para ir até à casa da Sónia,tê-los ali sem fazer nenhum só ia acabar em asneira,e como não queria que isto acontecesse fui procura-los e até a Rita estar pronta fiquei a olhar por eles.

Carolina
Simão
Rita
Durante  o dia voltei a ver a Rita quando ia ao treino,mas como lhe convidei para ir lá a casa jantar com os miúdos,aí sim podemos estar tempo de qualidade juntos.
Estava na cozinha,e por estarmos os dois a sós,aproveitámos para nos cumprimentar como deve ser já que os miúdos estavam na sala.Enquanto tinha os seus lábios colados aos meus,senti puxarem pelo o tecido das calças.Olhei para baixo e vi que era o Simão.

Rita-Que foi filho?

Simão-Quero falar com o Rúben.

Rúben-Comigo?

Simão-Sim!

Olhei para a Rita e pelo os vistos ela também não entendia porque ele queria conversas comigo,mas ela disse que ia começar a tratar do jantar e eu fui até à sala para falar com o puto.

Rúben-Então que queres falar comigo?-ele sentou-se no sofá e eu ao seu lado.-Queres vir para o meu colo?

Simão-Não,quero falar contigo.-vi que o puto tava sério e quando o ouvi falar gargalhei já que para além do ar sério,vê-lo todo homenzinho tinha a sua piada.

Que terá falado o Simão?


Olá meninas :)
Espero que tenham gostado do capitulo e que deixem as vossas opiniões que tem vindo a diminuir..:S
Beijinhos
Rita